Sociedade Bíblica de Portugal

Dia 19

Texto(s) bíblico

1Mais vale pão seco comido em paz

do que banquete em casa cheia de contendas.

2O servo prudente tomará o lugar do filho indigno

e terá parte na herança como mais um irmão.

3O ouro e a prata são provados pelo fogo,

mas é o Senhor quem prova a qualidade dos homens.

4O malfeitor dá ouvidos às palavras perversas;

o mentiroso escuta a má língua.

5Quem troça do pobre insulta o seu Criador;

quem se alegra com a desgraça alheia

não ficará sem castigo.

6Os netos são a coroa dos velhos;

o orgulho dos filhos são os seus pais.

7A linguagem distinta não fica bem ao insensato;

nem a um dirigente a linguagem falsa.

8Quem pratica o suborno vê nele uma varinha mágica,

que alcança tudo o que pretende.

9Esquecer uma ofensa cria laços de amizade;

insistir nela separa os maiores amigos.

10Uma reprimenda cala mais fundo nos inteligentes

do que cem vergastadas nos insensatos.

11O revoltoso só procura fazer mal;

mas contra ele será enviado o mensageiro cruel.

12Mais vale encontrar uma ursa enfurecida,

por lhe terem roubado os filhotes,

do que um estúpido a dizer tolices.

13Todo aquele que paga o bem com o mal

jamais verá a desgraça sair da sua casa.

14Começar uma contenda é como abrir um dique:

afasta-te antes que ele rebente.

15O Senhor detesta aquele que absolve o culpado

bem como aquele que condena o inocente.

16De que serve ao insensato ter dinheiro

para comprar sabedoria, se não tem juízo?

17Um amigo que mantém a amizade

é como um irmão em ocasiões difíceis.

18É insensato quem, com um aperto de mão,

fica por fiador das dívidas de outro.

19Quem gosta de ofender provoca querelas;

quem se vangloria atrai a ruína.

20O homem de coração perverso não encontra o bem;

o que espalha embustes cairá na desgraça.

21Ter um filho insensato é realmente triste;

o pai de um louco não pode ter alegria.

22Coração alegre dá saúde ao corpo;

espírito abatido seca os ossos.

23O homem desonesto aceita presentes em segredo,

para desviar o curso da justiça.

24A sabedoria está no rosto do homem sensato;

os olhos do estúpido vagueiam pela terra.

25O filho insensato causa irritação ao seu pai

e amargura àquela que o deu à luz.

26Não é justo multar quem está inocente,

nem punir o que procede com retidão.

27Aquele que poupa palavras é pessoa de saber

e o homem sensato reflete com frieza.

28O insensato passa por sábio e prudente,

quando fecha a boca e se cala.

Com o decorrer dos anos vai-se refinando o conhecimento e deseja-se que também o carácter. Aos pouquinhos, com a experiência, adquirem-se princípios que duram para a vida toda. Importa, pois, ir registando as conclusões para não incorrermos nos mesmos erros. De tempos a tempos convém reler essas listas para avivar a memória. Caso contrário, esquecemo-nos de coisas tão simples como ser preferível saborear uma refeição simples em paz ao invés de participar em banquetes onde só haja discussões. É que somos tão dados a impulsos que num instante repetimos gralhas passadas! Daí que seja vital anotar no coração lemas duradouros: “Esquecer uma ofensa cria laços de amizade.” Quando escancaramos diante dos nossos olhos alvos nobres, estes vão-se entranhando e tornam-se estilo de vida: “Um amigo que mantém a amizade é como um irmão em ocasiões difíceis.” Guardemos no íntimo, conselhos sobre a melhor forma de gerir relacionamentos. Memorizemos até alguns desses provérbios para nos servirem de muleta em momentos de tensão. Evitaremos assim, provavelmente, algumas querelas com gente insensata, com quem não vale a pena esgrimir argumentos. Detetaremos com mais perspicácia pessoas mal-intencionadas e sairemos de mansinho do confronto com tolos. À custa desses abençoados sussurros de Deus sentir-nos-emos impelidos a “pagar o mal com o bem” e a jamais “começar uma contenda, pois é como abrir um dique.” Recitando o que agrada a Deus, afastar-nos-emos paulatinamente daquilo que Ele detesta. E Deus deseja claramente que tenhamos uma noção apurada de justiça, uma “linguagem distinta” e uma vida materialmente sóbria. Fujamos da ostentação e abracemos a simplicidade. Privilegiemos o silêncio e a moderação: “Aquele que poupa palavras é pessoa de saber e o homem sensato reflete com frieza.” Recusemos dar ouvidos às más-línguas. Declinemos qualquer espécie de suborno. Controlemos os neurónios e ficará mais fácil domar a língua e os olhos. Tenhamos presente que “o ouro e a prata são provados pelo fogo, mas é o Senhor quem prova a qualidade dos homens.” Permitamos que Ele nos vá apurando por dentro, a ponto de largarmos práticas trocistas sobre quem quer que seja. Substituamos um espírito abatido por um coração alegre e celebremos a vida!

Sociedade Bíblica de Portugalv.4.20.14
Siga-nos em: