Sociedade Bíblica de Portugal

Dia 30

Texto(s) bíblico

1Os malfeitores fogem, sem que ninguém os persiga;

o homem justo vive confiante como o leão.

2Quando um povo vive em desordem,

muitos são os que lutam pelo poder,

mas um dirigente prudente e instruído reina com ordem.

3Um homem tirano oprime os fracos:

é como uma chuva torrencial que destrói as colheitas.

4Os que se afastam da lei louvam os malfeitores;

os que a cumprem lutam contra eles.

5Os desonestos não compreendem a justiça;

os que obedecem ao Senhor entendem tudo.

6Mais vale pobre e honrado

do que rico e mal-intencionado.

7Um filho inteligente cumpre a lei;

o que anda em más companhias é a vergonha de seu pai.

8O que amontoa fortunas por juros excessivos,

tem de as deixar para aquele que é amigo dos pobres.

9Aquele que se faz surdo às exigências da lei

verá que Deus detesta a sua oração.

10Aqueles que levam os homens honestos para o mau caminho

cairão nas suas próprias armadilhas.

A felicidade é para os que procedem com retidão.

11O rico julga-se muito sábio,

mas um pobre inteligente pode desmascará-lo.

12Quando os homens justos triunfam, há grande alegria;

quando os maus tomam o poder, as pessoas escondem-se.

13Quem dissimula os seus pecados não prosperará;

quem os confessa e se emenda será perdoado.

14Feliz o homem que se mantém cauteloso;

o que endurece o seu coração cairá na desgraça.

15O homem mau que oprime um povo pobre

é como um leão que ruge ou um urso à espreita.

16O chefe insensato multiplica a opressão;

o que não é avarento terá vida longa.

17O homem que comete um assassinato

precipita-se para o abismo;

que ninguém o detenha!

18Aquele que procede com sinceridade será salvo;

quem se porta mal cairá para sempre em ruína.

19O que cultiva a terra terá pão em abundância;

o que anda atrás de ilusões só terá miséria.

20O homem fiel será cumulado de bênçãos;

mas o que tenta enriquecer à pressa, não ficará sem castigo.

21Não é bom fazer distinção de pessoas;

alguns cometem essa injustiça, por um bocado de pão.

22O homem ganancioso tem pressa de ser rico,

mas não sabe que vai cair sobre ele a pobreza.

23Quem corrige alguém encontra depois mais gratidão

do que aquele que só lisonjeia.

24Quem rouba aos pais, dizendo que não é pecado,

assemelha-se ao criminoso!

25O homem ambicioso provoca contendas;

o que confia no Senhor prosperará.

26O insensato só confia nas suas ideias;

quem procede com sabedoria será bem sucedido.

27Quem dá aos pobres não terá falta de nada;

o que recusa ajudá-los terá muitas maldições.

28Quando os malfeitores triunfam, as pessoas escondem-se;

quando eles desaparecem, os justos prosperam.

Escolhas acertadas estão a curtíssima distância de opções erradas. Cabe-nos a nós interpretar momento a momento essas milimétricas diferenças. Fujamos sempre da maldade e não da justiça. Vivamos de cara levantada e não em fuga. Lutemos por valores, nunca por poder. Batamo-nos por acordos de paz, ao invés de nos envolvermos em tumultos. Coloquemo-nos ao lado dos mais fracos, interrompendo posturas opressivas que espreitam, rugem e ferem diariamente. Viremos as costas a qualquer forma de distinção de pessoas, ainda que nos prometam mundos e fundos. Afastemo-nos dos malfeitores, não da lei; e só por isso evitaremos a queda em carradas de armadilhas. Adotemos a obediência a Deus alegremente como estilo de vida, em vez de nos movermos desonestamente e em queixume permanente. Prefiramos a honra à malícia. Acertemos o passo com pessoas íntegras em detrimento das más companhias. Distribuamos generosidade, desprendendo-nos da avareza. Até porque a ganância é o primeiro passo para a miséria, enquanto a liberalidade material é o garante da abundância. Abandonemos o péssimo hábito de nos fazermos surdos a Deus e daremos um pulo espiritual significativo. Procedamos com retidão e teremos tudo para ser felizes. Alegre-nos o triunfo do bem e indigne-nos o avanço da corrupção. Dispamo-nos de tiques de superioridade e vistamo-nos com humildade. Aliás, esta desmascara qualquer arrogante. Substituamos um coração embrutecido por um cuidadoso. Aprendamos a conjugar o verbo amar de todas as maneiras e feitios, recusando-nos a ferir alguém até por palavras. Procedamos com sinceridade, sem ruinosas intenções. Vivamos de mangas arregaçadas, recusando viver de míseras ilusões. Busquemos primeiramente agir em fidelidade e as bênçãos serão sempre vistas como um bónus extra. Abramo-nos à correção e dispensemos a lisonja. Deixemos de florear os erros e interiorizemos a máxima proverbial: “Quem dissimula os seus pecados não prosperará; quem os confessa e se emenda será perdoado.”

Sociedade Bíblica de Portugalv.4.20.14
Siga-nos em: