Sociedade Bíblica de Portugal

56 – Os ensinamentos de Jesus – FELICIDADE RADICAL

OS ENSINAMENTOS DE JESUSImagina que estavas vivo quando Jesus veio à terra, e que tinhas a oportunidade de o ouvir ensinar. Talvez estivesses na encosta onde ele pregou o Sermão do Monte, ou no meio da multidão, quando contou uma das suas parábolas profundas. Agora, imagina que foste passar a noite a casa e, ao entrares, alguém da tua família diz: “Então, o que é que ele tinha para dizer?” De que forma resumirias os ensinamentos de Jesus?Esta é a missão impossível que enfrentamos agora — captar a essência dos ensinos de Jesus em cinco curtas leituras. Jesus estava sempre a ensinar, por-que, sabia que as suas ações falavam tão alto, senão mais, ainda, do que as suas palavras.Por exemplo, uma das leituras desta secção inclui “A Oração do Senhor” (Mateus 6:9-13). Mas o ensino mais eficaz de Jesus sobre a oração, pode não ter sido este modelo de oração em particular, mas sim, o seu estilo de vida de oração. Repara no que instigou o interesse dos discípulos pela oração (Lucas 11:1a). Ao lermos os Evangelhos, encontramos referências frequentes ao padrão de oração de Jesus (Marcos 1:35).Jesus praticava o que pregava, e isso foi um dos fatores que lhe deu credibilidade enquanto professor (Mateus 5:19b). Naturalmente, o fator principal era facto de ele ser Deus em forma humana. Os seus ouvintes, não perceberam isso. Mas, quanto mais ensinava, mais eles se apercebiam de que ele era único (Mateus 7:28-29).As nossas leituras centram-se nas pregações e parábolas de Jesus. O Sermão do Monte é, sem dúvida, o maior sermão alguma vez pregado. Jesus proferiu-o no início do seu ministério, quando começava a chamar a atenção pública. Em vez de palavras “agradáveis ao ouvido”, ele dava às multidões, uma dose completa de ensinos morais e éticos, que convocavam as pessoas a viver um padrão de vida, o mais elevado possível (Mateus 5:48). Jesus nunca “aligeirou” a sua mensagem.Quanto às parábolas, Jesus sabia que contar histórias sobre coisas comuns e situações familiares da vida, ia ajudá-lo a criar laços com os seus ouvintes. Também, lhe permitia realçar a hipocrisia e o pecado dos líderes religiosos que se lhe opunham, sem parecer demasiado hostil.Como verás, a pregação e o contar de história combinados com um estilo de vida consistente — era a fórmula sábia de Jesus transmitir a sua mensagem.ORAÇÃO“Que as minhas palavras e os meus pensamentos sejam bem aceites por ti, ó SENHOR, meu refúgio e meu libertador.” (Salmos 119:15)

Texto(s) bíblico

A verdadeira felicidade

1Ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte. Sentou-se e os seus discípulos foram para junto dele. 2Jesus começou então a ensiná-los desta maneira:

3«Felizes os que têm espírito de pobres,

4Felizes os que choram,

porque Deus os consolará!

5Felizes os humildes,

porque terão como herança a Terra!

6Felizes os que têm fome e sede de ver cumprida a vontade de Deus,

porque Deus os satisfará!

7Felizes os que usam de misericórdia para com os outros,

porque Deus os tratará com misericórdia!

8Felizes os íntegros de coração,

porque hão de ver Deus!

9Felizes os que promovem a paz,

porque Deus lhes chamará seus filhos!

10Felizes os que são perseguidos por procurarem que se cumpra a vontade de Deus,

porque é deles o reino dos céus!

11Felizes serão quando vos insultarem, perseguirem e caluniarem,

por serem meus discípulos!

12Alegrem-se e encham-se de satisfação porque é grande a recompensa que vos espera no céu. Pois assim também foram tratados os profetas que vos precederam

O sal e a luz

13«Vocês são o sal do mundo. Mas se o sal perder as suas qualidades, poderá novamente salgar? Já não presta para nada, senão para se deitar fora e ser pisado por quem passa.

14Vocês são a luz do mundo. Uma cidade situada no alto de um monte não se pode esconder. 15Também não se acende um candeeiro para o pôr debaixo da caixa. Pelo contrário, põe-se mas é num lugar em que alumie bem a todos os que estiverem em casa. 16Do mesmo modo, façam brilhar a vossa luz diante de toda a gente, para que vejam as vossas boas ações e deem louvores ao vosso Pai que está nos céus.»

A lei e o reino dos céus

17«Não pensem que vim anular a Lei de Moisés ou o ensino dos profetas. Não vim para anular mas para dar cumprimento. 18Saibam que enquanto o Céu e a Terra existirem, nem uma letra, nem sequer um acento se hão de tirar da lei, sem que tudo se cumpra. 19Por isso quem desobedecer ainda que seja a um só destes mandamentos mais pequenos e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no reino dos céus. Mas aquele que obedecer à lei e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será tido por grande no reino dos céus. 20Digo-vos mais: vocês não entrarão de maneira nenhuma no reino dos céus, se não cumprirem a vontade de Deus com mais fidelidade do que os doutores da lei e os fariseus

Reconciliação com o semelhante

21«Ouviram o que foi dito aos antigos: Não matarás. E ainda: Aquele que matar alguém terá de responder em julgamento. 22Mas eu digo-vos: Todo aquele que se irritar contra o seu semelhante terá de responder em julgamento; aquele que insultar o seu semelhante, chamando-lhe “imbecil”, será julgado pelo tribunal; e aquele que lhe chamar “estúpido” merece ir para o fogo do inferno. 23Por isso, quando fores ao templo levar a tua oferta a Deus, e ali te lembrares que o teu semelhante tem alguma razão de queixa contra ti, 24deixa a oferta diante do altar e vai primeiro fazer as pazes com o teu semelhante. Depois volta e apresenta a tua oferta.

25Faz as pazes com o teu adversário enquanto vão os dois a caminho do tribunal. Senão o adversário entrega-te ao juiz, este entrega-te ao oficial de justiça e metem-te na cadeia. 26Garanto-te que não sais de lá enquanto não pagares o último cêntimo.»

Perigo das más intenções

27«Ouviram o que foi dito: Não cometerás adultério. 28Mas eu digo-vos: Todo aquele que olhar para uma mulher com más intenções já cometeu adultério no seu coração. 29Portanto, se o teu olho direito te leva a pecar, arranca-o e atira-o para longe de ti. Mais vale perderes uma parte do teu corpo do que ele ser todo inteiro lançado no inferno. 30De igual modo, se a tua mão direita te leva a pecar, corta-a e atira-a para longe de ti. Mais vale perderes uma parte do teu corpo do que ele ir todo inteiro para o inferno.»

Sobre o divórcio

31«Também foi dito: Todo o homem que se divorciar da sua mulher deve passar-lhe uma declaração. 32Mas eu digo-vos: Todo o homem que se divorciar da sua mulher, exceto no caso de adultério, é culpado de a expor ao adultério. E o homem que casar com ela também comete adultério.»

Evitar juramentos

33«Também ouviram o que foi dito aos antigos: Não farás juramentos falsos, mas cumprirás diante do Senhor o que juraste. 34Mas eu digo-vos que não devem jurar de modo nenhum. Não jurem pelo Céu, porque é o trono de Deus; 35nem pela Terra, porque é o estrado para os seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei. 36Nem mesmo pela tua cabeça deves jurar, porque não és capaz de tornar um só dos teus cabelos branco ou preto. 37Basta que digas sim, quando for sim, e não, quando for não. Tudo o que vai além disso é obra do Maligno

Paciência e generosidade

38«Ouviram o que foi dito: Olho por olho e dente por dente. 39Mas eu digo-vos: Não resistam a quem vos fizer mal. Se alguém te bater na face direita, apresenta-lhe também a outra. 40Se alguém te quiser levar a tribunal para te tirar a camisa, dá-lhe também o casaco. 41Se alguém te obrigar a levar alguma coisa até a um quilómetro de distância, acompanha-o dois quilómetros. 42Se alguém te pedir qualquer coisa, dá-lha; e a quem te pedir emprestado não lhe voltes as costas.»

Amor aos inimigos

43«Ouviram o que foi dito: Amarás o teu próximo e desprezarás o teu inimigo. 44Mas eu digo-vos: Tenham amor aos vossos inimigos e peçam a Deus por aqueles que vos perseguem. 45É deste modo que se tornarão filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz brilhar o Sol tanto sobre os bons como sobre os maus, e faz cair a chuva tanto para os justos como para os injustos.

46Se amarem apenas aqueles que vos amam que recompensa poderão esperar? Não fazem também isso os cobradores de impostos? 47E se saudarem apenas os vossos amigos, que há nisso de extraordinário? Qualquer pagão faz o mesmo! 48Portanto, sejam perfeitos como o vosso Pai celestial é perfeito.»

Como dar esmola

1«Quando praticarem o bem, procurem não o fazer diante dos outros para dar nas vistas. Se assim fizerem, já não terão nenhuma recompensa a receber do vosso Pai que está nos céus.

2Portanto, quando deres esmola, não faças alarde à tua volta, como é costume das pessoas fingidas, nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiadas. Garanto-vos que essas pessoas já receberam a sua recompensa. 3Mas tu, quando deres esmola, procura que a tua mão esquerda nem saiba o que faz a direita. 4Deste modo, a tua esmola ficará em segredo; e o teu Pai, que vê o que se passa em segredo, há de recompensar-te.»

REFLEXÃO

Hoje em dia, quando as pessoas pensam no Sermão do Monte, muitas vezes, referem-se às “Bem-aventuranças”, por causa das nove afirmações que Jesus fez no início desta passagem (5:1-12). “Bem-aventurança” significa “abençoado” ou, literalmente, “feliz”. Por outras palavras, Jesus começa o melhor sermão do mundo a definir o que é a verdadeira felicidade. Parece promissor.

O problema é que Jesus só falou de falhados — os pobres de espírito, os que choram, os humildes e perseguidos. Ninguém quer andar com pessoas destas. Mas, segundo Jesus, o caminho para a felicidade, passa por sair da nossa zona de conforto e acolher os que estão em dificuldades. Jesus amou os abatidos e os excluídos e, se quisermos ser seus seguidores, também teremos de o fazer.

Seguidamente, Jesus tocou noutro assunto delicado: influenciar os outros (5:13-16). Hoje em dia, muitos pensam que a coisa mais importante na religião é mantê-la privada. Para estas pessoas, a privacidade é mais importante do que a verdade. Mas, Jesus desafiou os seus seguidores a serem como o sal — dando sabor e preservando o mundo com o evangelho — e como a luz – demonstrando o evangelho através das suas ações. Quando descobrires “o caminho, a ver-dade e a vida” (João 14:6), vai ser impossível mantê-lo escondido (5:14-15). Como disse Francisco de Assis: “Preguem o evangelho sempre. Usem palavras quando for necessário.”

Jesus continuou a abordar alguns assuntos mais complicados ainda — assassínio, adultério, divórcio, vingança e outros (5:21-48). Em cada um dos casos, ele referiu-se ao ensino da Lei (“Ouviram o que foi dito…”) e elevou a fasquia ao concentrar-se na origem do problema: o coração (5:28). De nada serve seguir uma lista de regras, se o coração não estiver comprometido com a motivação correta — reconciliação, fidelidade, perdão e amor. Foram estas coisas que Jesus mais valorizou.

APLICAÇÃO

O que te faz feliz? Que parte do Sermão do Monte pensas ser mais desafiante? Porquê?

ORAÇÃO

Senhor, a busca da felicidade ocupa muito do meu tempo e energia. Talvez até demasiado. Ajuda-me a ter as prioridades certas.

Sociedade Bíblica de Portugalv.4.20.15
Siga-nos em: