Sociedade Bíblica de Portugal

Dia 22

Texto(s) bíblico

1O vinho torna o homem arrogante;

as bebidas fortes incitam-no ao distúrbio;

quem a isso se entrega nunca será sábio.

2A ira do rei é como o rugido do leão;

aquele que o provoca põe a sua vida em perigo.

3É uma honra para o homem acabar com as discussões;

os insensatos envolvem-se nelas.

4O preguiçoso não lavra no tempo da sementeira:

no tempo da colheita, procura, mas nada encontra.

5Os pensamentos do homem são como as águas fundas,

mas o homem inteligente sabe lá chegar.

6Muitos homens apregoam a sua bondade,

mas é difícil encontrar um de confiança!

7O justo leva uma vida honesta;

felizes serão os seus filhos, mais tarde!

8Quando o rei toma assento no tribunal,

castiga os culpados e expulsa-os da sua presença.

9Quem pode dizer que tem a consciência tranquila

e que está limpo de qualquer pecado?

10Utilizar pesos falsos e medidas falsas

são duas coisas que o Senhor detesta.

11Até a criança dá a conhecer, pelos seus atos,

se o seu proceder é reto e honesto.

12Olhos para ver e ouvidos para escutar,

ambos são obra do Senhor.

13Se passas o tempo a dormir, ficarás pobre:

mantém-te desperto e terás pão de sobra.

14«Não presta, não presta!» — diz o comprador;

mas, quando se afasta, gaba-se da boa compra.

15Falar com sabedoria é mais precioso

do que ouro e rubis em abundância.

16Se alguém ficar por fiador de um desconhecido,

exige-lhe a roupa como penhor pelo estranho.

17O pão roubado é saboroso,

mas depois deixa a boca áspera.

18Quando fizeres projetos, aconselha-te bem;

quando fizeres guerra, prepara a boa estratégia.

19O mexeriqueiro não sabe guardar segredos;

evita as pessoas que falam de mais.

20O que amaldiçoa o pai e a mãe

verá extinguir-se a sua luz no meio da escuridão.

21Fortuna que começa demasiado rapidamente

não dá prosperidade até ao fim.

22Não te queiras vingar do mal que te fizeram:

põe a tua confiança no Senhor e ele te livrará.

23O Senhor detesta que se usem pesos falsos;

balanças falsificadas são um crime.

24O Senhor é quem dirige a vida do homem;

ninguém conhece o seu próprio destino.

25É perigoso fazer promessas apressadas ao Senhor

e só refletir depois de fazer o voto.

26O rei sábio separa os maus

e faz passar sobre eles a roda.

27A consciência é a lâmpada que o Senhor dá ao homem

para iluminar o mais profundo do seu ser.

28A bondade e a fidelidade protegem o rei;

é com a bondade que ele mantém o seu poder.

29O orgulho dos jovens está na sua força;

a honra dos velhos está nos seus cabelos brancos.

30A dor do castigo limpa o mal;

e as pancadas curam o mais fundo do homem.

Já nos vemos aflitos para lidar com a nossa arrogância natural, que fazemos bem em dispensar aditivos que contribuam ainda mais para acentuar os nossos distúrbios. Viver sob o efeito de tóxicos não só nos tolda a consciência como coloca em perigo o nosso presente futuro. Mantenham-se os sentidos bem alerta para se ajuizar convenientemente o que convém. Haja tato redobrado tanto nas abordagens de que somos alvo como nas que nós próprios estabelecemos. Nada de provocar a ira de gente poderosa e descompensada. Façamos questão de nos tornar conhecidos por pôr fim a discussões e não por as querermos ganhar à força toda. Caracterize-nos uma postura honrada em tudo o que nos envolvemos e não a cultura da lei do menor esforço. E caso surja o mais leve indício de uma crise de preguiça aguda, avivemos a memória com o provérbio ancestral: “Se passas o tempo a dormir, ficarás pobre: mantém-te desperto e terás pão de sobra.” Pautemos pensamentos e ações pela honestidade. Nada de fintas, piruetas, cartas na manga, intrujices e afins para passar a perna a quem quer que seja. Mesmo em simples negócios pugnemos pela transparência. Evitemos tudo o que seja fiado ou roubado, pois inicialmente pode ter um sabor adocicado, mas azeda num instante. Levemos uma vida às claras, sem fingir ausência de defeitos: “Quem pode dizer que tem a consciência tranquila e que está limpo de qualquer pecado?” É bom não esquecer que Deus detesta a falsidade e desmascara a hipocrisia. Arregalemos os olhos, desenceremos os ouvidos, meditemos profundamente e ajustemo-nos ao Seu carácter: “A consciência é a lâmpada que o Senhor dá ao homem para iluminar o mais profundo do seu ser.” Por muito bons que enganosamente nos achemos, somos inconstantes, logo carentes de orientação. Duvidemos da nossa débil força ou pretensa maturidade. Aconselhemo-nos devidamente antes de um projeto ou de uma batalha. Coloquemos a nossa confiança em Deus, dizendo adeus a sentimentos caídos. Ao falar, com Ele ou com as pessoas que nos rodeiam, pesemos o valor precioso de cada palavra. Reflitamos bem antes de nos comprometermos com algo. Fujamos dos mexericos. Abençoemos aqueles que nos criaram e desfaçamo-nos de todo o tipo de ingratidão. Desconfiemos da segurança dos bens e invistamos no que é eterno: Deus e os Seus valores. Ele, usando os meios que entender, acabará por, na Sua bondade e fidelidade, nos ir trabalhando por dentro. Sim, “Deus é quem dirige a vida do homem; ninguém conhece o seu próprio destino.”

Sociedade Bíblica de Portugalv.4.20.14
Siga-nos em: