Sociedade Bíblica de Portugal

Vale de Hinom

O vale de Hinom é mencionado de diferentes maneiras no Antigo Testamento: o vale de Hinom e o vale de Ben-Hinom ("o filho de Hinom"). Estes nomes referem-se aos proprietários originais do vale, a família Hinom.

Cemitério

Durante muito tempo supôs-se que o vale estava situado a leste de Jerusalém, mas desde o século XIX que se pensa que o vale de Hinom estava situado a sudoeste da Jerusalém bíblica, fora dos muros da cidade da época.

O vale de Hinom serviu - provavelmente desde a época do rei Ezequias - como um local para enterrar os mortos. As escavações arqueológicas mostram isso mesmo. Entre outras coisas, foram encontradas aqui sepulturas familiares que foram usadas durante séculos.

Sacrifícios a Moloc

O vale de Hinom ganhou uma péssima reputação nos tempos bíblicos, porque surgiu uma forma de culto que despertou a indignação dos autores bíblicos. Este culto está associado ao nome "Moloc".

A natureza precisa deste culto é contestada, como também o é o nome Moloc. Moloc pode ter sido originalmente o nome de um ritual no qual  eram sacrificadas crianças, como em Cartago. Os autores bíblicos, no entanto, tomaram Moloc como o nome do deus dos amonitas ( 1 Reis 11: 7).

A descrição habitual do ritual é “passar o filho ou filha pelo fogo como sacrifício a Moloc” ( 2 Reis 23: 10). Nesse caso, isto implicaria levar as crianças para o local do holocausto, Tofet, nos terrenos do cemitério, no vale de Hinom.

O rei Josias

O rei Josias agiu contra este culto profanando o local de sacrifício ( 2 Reis 23: 10). É evidente que isto teve um efeito duradouro, pois os profetas Jeremias e Ezequiel ainda expressavam forte oposição ao culto de sacrifício de crianças (por exemplo Jeremias 7: 31-32 e Ezequiel 23: 37-39).

Após a queda de Jerusalém em 586 a.C, não há mais menções a esse tipo de sacrifício, mas a memória permanece.

Gehenna

Devido ao significado negativo que o Vale de Hinom ganhou no Antigo Testamento, no período helenístico, a forma aramaica abreviada desse nome ("Gehenna") foi usada como referência ao inferno. Isso acontece, por exemplo, no livro apócrifo de Enoque. A referência a "Gehenna" também ocorre no Novo Testamento, por exemplo, em Marcos 9: 43.

Naquela época, Gehenna estava situada a leste de Jerusalém, nas proximidades do Monte das Oliveiras.
Posteriormente, esta definição também foi adotada pelo Islão.

 

Seja nosso Parceiro e tenha acesso a +Bíblia:

  • Bíblias de Estudo e artigos
  • Geográfia, história e cultura
  • Línguas originais: hebraico, grego e “Septuaginta”
  • Traduções em PT e noutras línguas

Sociedade Bíblica de Portugalv.4.16.16
Siga-nos em: