Sociedade Bíblica de Portugal

Descobre-Estudo D

A ÚLTIMA CHAMADA

Esta sessão explora o tema doloroso da morte.

Porque achas que evitamos tantas vezes falar abertamente sobre este assunto?

CONTEXTO HISTÓRICO

Jesus afirma algumas coisas ousadas acerca de si mesmo, e uma delas é nada menos do que declarar ser o Messias, o salvador do mundo enviado por Deus. No capítulo anterior ele diz ser o Filho de Deus. Os líderes judeus estão de tal modo indignados que o querem matar: “Não te vamos apedrejar por causa das belas ações... Mas sim por uma blasfémia, porque sendo tu apenas um homem estás a fazer-te passar por Deus.”
(João 10:33). Eles perceberam que Jesus está a dizer que partilha da mesma natureza de Deus, a quem chama de Pai. Jesus é agora confrontado com o falecimento de um amigo muito chegado. Será que ele tem alguma esperança para oferecer perante a morte? Se ele fez afirmações incríveis, dizendo que é Deus, será que as vai confirmar? Existirá qualquer prova que sugira que o devemos levar a sério quando ele diz que é o salvador do mundo?

1- Qual a relação de Jesus com Lázaro e a sua família (ver versículos 2 e 5)? Porque pediram para chamar Jesus? 

2- Quando Jesus ouve falar na doença de Lázaro,o que te surpreende mais na sua resposta? O que é que os discípulos temem que aconteça (versículos 5-8)?

3- Quando é que Jesus decide ir ver Lázaro? Como é que os discípulos perceberam mal o que ele diz nos versículos 11-16?

4- Naquele momento, parecia absolutamente inútil que Jesus viajasse durante quatro dias para ver Lázaro. Qual a justificação de Jesus nosversículos 4 e 15 para explicar a sua demora?


Na Bíblia dos judeus, “glória” refere-se à manifestação visível de Deus, geralmente sob
a forma de brilho e esplendor. Jesus diz que, através do que acontecerá na casa de Lázaro, os discípulos verão que ele tem a mesma glória, a mesma natureza, de Deus. O seu atraso deliberado na ida para Betânia tem este objetivo.

5- Descreve a situação que Jesus encontra aochegar à casa de Lázaro. Como achas que Maria e Marta se sentem? O que achas que elas esperam que Jesus faça? (Ver versículos 17-24 e 30-33.)

6- ​Que afirmação espantosa faz Jesus sobre si mesmo nos versículos 25-26? De acordo com Jesus, como pode alguém ter confiança na vida após a morte?

7- Quando Maria descobre que Jesus chegou, ela vai ao encontro dele. O que mais te impressiona na reação de Jesus ao profundo sofrimento dela (versículos 32-36)?


8- O versículo 33 diz-nos que Jesus ficou muito comovido e perturbado – literalmente “zangado” e “revoltado” no idioma original. A dor profunda que Jesus sente é compreensível, mas porque estará ele tão zangado?

A Bíblia dos judeus ensina que a morte não fazia parte da experiência humana conforme ela foi originalmente concebida. Como as pessoas se afastaram de Deus, aquele que dá a vida, a consequência inevitável era experimentar a morte. Jesus não sofre apenas pela morte de um amigo, ele também está indignado com o modo como a morte causou tanta dor no mundo.​

9- De acordo com os versículos 36-37, quais eram as expectativas da multidão? E de Marta no versículo 39?

10- O que acontece quando Jesus chama Lázaro  do túmulo? Qual a relação entre isto e as afirmações que Jesus faz acerca de si nos versículos 25-26?

11- Como é que Jesus quer que as pessoas respondam ao que veem (versículos 41-42)? Como é que elas respondem na verdade (versículos 45-48)?

O QUE SIGNIFICA ISTO PARA NÓS?​ 

Depois de lhe ser diagnosticado um cancro em fase terminal, Steve Jobs, o fundador da Apple, falou da inevitabilidade da morte: “Agora posso dizer isto com um pouco mais de certeza que quando a morte era um conceito útil, mas puramente intelectual. Ninguém quer morrer. Mesmo as pessoas que querem ir para o céu não querem morrer para chegar lá. E, ainda assim, a morte é o destino que nos espera a todos. Jamais alguém lhe escapou.” Se o que Jesus afirma sobre si mesmo é verdadeiro, como é que a fé nele pode nos dar esperança diante da morte, o “destino que nos
espera a todos”?


Seja nosso Parceiro e tenha acesso a +Bíblia:

  • Bíblias de Estudo e artigos
  • Geográfia, história e cultura
  • Línguas originais: hebraico, grego e “Septuaginta”
  • Traduções em PT e noutras línguas

Sociedade Bíblica de Portugalv.4.16.16
Siga-nos em: