Sociedade Bíblica de Portugal

Descobre-Estudo E

A GRANDE TROCA

O romancista russo e ativista dos direitos humanos Alexander Solzhenitsyn analisou a possibilidade hipotética de eliminar do mundo todas as pessoas más. No final, concluiu que seria impossível: “A linha que divide o bem e o mal atravessa o coração de cada ser humano. E quem está disposto a destruir uma parte do seu próprio coração?”’

Até que ponto concordas com esta descrição da humanidade?

CONTEXTO HISTÓRICO

Os líderes religiosos estão decididos a matarJesus, acusando-o de blasfémia porque ele afirmou ser o divino salvador do mundo. Surge uma oportunidade quando Judas, um dos discípulos de Jesus, concorda em traí-lo. Nas horas que antecedem este relato, Jesus foi preso e forjaram-se provas para o condenar. Só as autoridades romanas que ocupavam a Judeia podiam atribuir a pena de morte, por isso é preciso persuadir o governador romano, Pôncio Pilatos, acerca da culpa de Jesus. Os líderes religiosos sabem que Pilatos não terá interesse em ser envolvido nesta disputa religiosa. A fim de garantir a condenação de Jesus, eles tentam convencê-lo de que o pregador da Galileia deve ser morto por ser culpado de traição.

1- Descreve a atitude dos soldados em relação a Jesus. Porque estão eles a ridicularizar e desprezar Jesus?

2- Qual a conclusão sobre Jesus a que Pilatos chega depois de o interrogar nos versículos 4, 6 e 12?

3- Qual o motivo do medo de Pilatos quando ouve as acusações contra Jesus nos versículos 7-8?


4- Jesus está diante do homem que tem o poder de ordenar a sua morte. Quais os aspetos da conversa entre Jesus e Pilatos que te chamam mais a atenção nos versículos 9-11?

5- Lê os versículos 12-16. Pilatos quer libertar Jesus. Como é que os líderes religiosos conseguem finalmente convencê-lo a condenar Jesus à morte?


6- Jesus foi interrogado, gozado e agredido. Agora ele é forçado a carregar a sua cruz pelas ruas apinhadas de Jerusalém. Qual será a condição física de Jesus?

Numa frase curta, João diz-nos que Jesus foi crucificado. No entanto, a crucificação era um dos castigos mais horríveis à face da terra. Era usada como o dissuasor final à rebelião contra Roma. Por isso, os motivos para a crucificação eram afixados acima dos executados. A lei judaica aumentava a humilhação da crucificação ao afirmar que quem fosse morto desta forma era considerado amaldiçoado por Deus.

7- Perto da cruz estão a mãe de Jesus e alguns dos seguidores (versículos 25-27). O que achas que eles estão a sentir? O que estarão eles a pensar sobre a afirmação de Jesus de ser o salvador divino e a vida que ele oferece?

8- Tudo sugere que Jesus está completamente acabado. No entanto, que pistas existem de que Jesus acredita que ele ainda está realmente no controlo (versículos 28 e 30)?


À medida que João relata os eventos da crucificação de Jesus, ele continua a referir-se ao cumprimento das profecias do Antigo Testamento sobre o que aconteceria ao Messias. Isaías (que escreveu em 700 a.C.) descreve o que viria a acontecer e qual o seu significado para o mundo: Era desprezado e abandonado pelos homens, como alguém cheio de dores e habituado ao sofrimento, e para o qual se evita olhar. Era desprezado e tratado sem nenhuma consideração.
Na verdade ele suportava os nossos sofrimentos e carregava as dores, que nos eram devidas. E nós pensávamos que Deus é que assim o castigava e humilhava duramente.
Mas ele foi ferido por causa das nossas faltas, aniquilado por causa das nossas culpas.
O castigo que nos devia redimir caiu sobre ele; ele recebeu os golpes e nós fomos poupados. Todos nós vagueávamos como rebanho perdido cada qual seguindo o seu caminho; mas o Senhor carregou sobre ele as consequências de todas as nossas faltas.
(Isaías 53:3-6 BPT)

9- Como é que estas palavras refletem o que Jesus está a experimentar naquele momento? De acordo com Isaías, qual o problema que o Messias viria solucionar e de que forma?

Antes de morrer, Jesus diz: “Tenho sede.” No evangelho de João, a sede é uma metáfora da nossa alienação de Deus por causa do nosso pecado. Neste momento, Jesus está a experimentar o julgamento de Deus, mas não pelos seus próprios pecados — ele é inocente, como Pilatos disse uma e outra vez. Jesus está a sofrer as consequências que nós merecemos, a alienação e a morte, para que possamos desfrutar de paz com Deus.
 
10- 
Com o seu último suspiro, Jesus disse: “Tudo está cumprido.” Na tua opinião, o que é que Jesus acha que conseguiu através da sua morte na cruz?

11- Nicodemos, um distinto mestre religioso, manda embalsamar o corpo de Jesus com uma enorme quantidade de especiarias, quantidade essa que era normalmente usada para os corpos dos reis. Por que é tão surpreendente que Nicodemos queira dar a Jesus um sepultamento assim?

O QUE SIGNIFICA ISTO PARA NÓS?

O autor Tim Keller entende que a crucificação é o elemento que dá um carácter único ao cristianismo: Jesus assume o lugar que devia ser nosso. Ele é inocente, mas carrega na sua própria morte o julgamento de Deus sobre os nossos pecados. Desta forma, ele é o salvador do mundo. Keller afirma: “Os fundadores de todas as outras grandes religiões vieram essencialmente como mestres, não como salvadores. Eles vieram para dizer: ‘Faz isto e encontrarás o divino.’ Mas Jesus veio, na sua essência, como um salvador e não como um mestre (embora também o fosse). Jesus diz: ‘Eu sou o divino que veio ter convosco para fazer o que não podiam fazer sozinhos.’ A mensagem cristã é esta: que não somos salvos por aquilo que fazemos, mas pelo que Cristo fez.” Dado o que aprendeste sobre a morte de Jesus, será que Tim Keller está certo? Será a salvação a essência da cruz, na qual Deus paga o preço que deveríamos ter pago?

Versículos

Passagens bíblicas relacionadas

João 19

Seja nosso Parceiro e tenha acesso a +Bíblia:

  • Bíblias de Estudo e artigos
  • Geográfia, história e cultura
  • Línguas originais: hebraico, grego e “Septuaginta”
  • Traduções em PT e noutras línguas

Sociedade Bíblica de Portugalv.4.16.16
Siga-nos em: